O MUSEU CONTEMPORÂNEO

 

Arquitetura, museografia e patrimônio imaterial

 

 

 

Bianca Lupo . trabalho final de graduação, apresentado à FAU USP em 01.07.2015

Orientador: prof. dr. Luciano Migliaccio

 

 

 

 

Resumo

 

O presente trabalho tem como objetivo estudar a relação entre arquitetura e museografia para o tratamento do patrimônio imaterial no museu contemporâneo, de acordo com as transformações que esses espaços vem sofrendo frente à utilização de novas mídias expográficas e recursos cenográficos. Para tanto, foram selecionados três casos de análise: o Museu da Língua Portuguesa (São Paulo, 2006); o Museu do Futebol (São Paulo, 2008) e o Museu do Cinema (Turim, 2000). O estudo se estrutura a partir do trinômio concepção-espacialização-percepção, verificando aspectos de projeto, de sua execução e de sua recepção por parte do público. Desse modo, a metodologia utilizada se baseia fundamentalmente em pesquisa bibliográfica, visitas a campo, levantamento fotográfico, análise de projetos de arquitetura e museografia, execução de entrevistas com arquitetos e profissionais envolvidos na criação dos museus e entrevistas não-dirigidas com visitantes. O estudo se desenvolve em três capítulos. O primeiro traz considerações a respeito do processo de transformação do espaço do museu na contemporaneidade, considerando a atração de novos públicos, a diversificação do programa institucional e a utilização de recursos tecnológicos e cenográficos para a expografia. Por sua vez, o segundo capítulo apresenta uma análise detalhada de cada estudo de caso, de acordo com os itens: concepção e proposta, implantação, projeto arquitetônico, percurso museológico e recepção do público. A seguir, o terceiro capítulo propõe a execução de uma análise comparativa entre os museus estudados, avaliando as soluções expográficas utilizadas e o percurso museológico proposto. Para finalizar, são apresentadas uma série de reflexões acerca do papel do museu na contemporaneidade, da preservação do patrimônio imaterial e do uso da tecnologia expográfica, pautando-se nos estudos de caso apresentados.

 

Bibliografia

 

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. Porto Alegre, LP&M, 2013.

 

BERTOL, Caroline Cabral Rocha. Arquitetura museográfica: o lugar da arte contemporânea. São Paulo, 2010.

 

BITTENCOURT, José Neves. Para descongelar o futuro: entre demandas do patrimônio, da modernidade, do poder, a luta pelo porvir dos museus. in: GUIMARAENS, Cêça; IWATA, Nara; POLLY, Vânia; KESSEL, Carlos (org,), Seminário Internacional Museografia e Arquitetura de Museus. Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura, 2005, pg. 106-135.

 

BRANDÃO, Carlos Roberto e LANDIM, Maria Isabel. Museus: o que são e para que servem? in: SISEM SP, Sistema Estadual de Museus (org). – Museus: o que são e para que servem? São Paulo, 2011. (Coleção Museu Aberto). – cap. 9, pg. 94-101.

 

CARVALHO, Ana Cristina e FAGGIN, Carlos. São Paulo: Olhar os museus, olhar a cidade. 

São Paulo, Dialeto Latin American Documentary, 2013.

 

CASTELLO, Lineu. Do desenho animado ao desenho urbano: o urbanismo da meta realidade. V Seminário de História da Cidade e do Urbanismo, 1998. Cidade: temporalidades em confronto. História e Cultura Urbana – Modelos e Virtualidades – pg. 1-22.

 

DAVALLON, Jean. Comunicação e sociedade: pensar a concepção da exposição. in: BENCHETRIT, Sarah Fassa; BEZERRA, Rafael Zamorano e MAGALHÃES, Aline Montenegro (org.) Museus e comunicação – exposições como objeto de estudo.

Rio de Janeiro, Museu Histórico Nacional, 2010, pg. 21-34.

 

FIGUEIREDO, Renata Dias de Gouveia de. Exposição contemporânea no Brasil: a sedução das exposições

cenográficas. São Paulo, 2011.

 

FREIRE, Cristina. Dos museus e das exposições: por uma breve arqueologia do olhar. in: SISEM SP, Sistema Estadual de Museus (org). – Museus: o que são e para que servem? São Paulo, 2011. (Coleção Museu Aberto). – cap. 6, pg. 70-76.

 

FRIEGLIN, Rudolf. Os passados como futuro: o museu como produtor e artista. in: BENGUELMAN, Gisele e MAGALHÃES, Ana Gonçalves (org.) Futuros Possíveis: arte, museus e arquivos digitais. São Paulo, Petrópolis, Edusp, 2014.

 

GHIRARDO, Diane. Arquitetura contemporânea: uma história concisa. São Paulo, Martins Fontes, 2002. Trad. Maria Beatriz de Medina.

 

GONÇALVES, Lisbeth Rebollo. Entre cenografias: o museu e a exposição de arte no século XX. 

São Paulo, Ed. Universidade de São Paulo, FAPESP, 2004.

 

GUY, David. A sociedade do espetáculo: comentários sobre a sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro, Contraponto, 2013 – trad. Estela dos Santos Abreu.

 

KOOLHAAS, Rem. Junkspace, 2000. in: SYKES, A. Krista, O campo ampliado da arquitetura – antologia teórica 1993-2009.

São Paulo, Cosac Naify, 2013, pg. 104-117. Trad. Denise Bottmann.

 

LAPA, Rodrigo Amaral. As transformações dos museus contemporâneos influenciadas pelas TIC´s. São Carlos, 2011.

 

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. O museu e o problema do conhecimentoin: IV Seminário sobre Museus-casas: Pesquisa e Documentação, 2002, Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Fundação Casa de Rui Barbosa, 2000, pg. 17-48.

Reconhecimento é a palavra chave para os museus exercerem seu papel social.

in: Encontro Paulista de Museus, tema: O papel social dos museus. Disponível em: www.museudalinguaportuguesa.org.br, acessado em 26/09/14.

 

PANZA, Pierluigi. Estetica dell´architettura. Milano, Guerini e Associati, 1996.

 

ROQUE, Maria Isabel Rocha. Comunicação no museuin: BENCHETRIT, Sarah Fassa; BEZERRA, Rafael Zamorano e MAGALHÃES, Aline Montenegro (org.) Museus e comunicação – exposições como objeto de estudo. Rio de Janeiro, Museu Histórico Nacional, 2010, pg. 48-65.

 

SEGRE, Roberto. Museus brasileiros – Brazilian Museums. Rio de Janeiro, Viana e Mosley, 2010.

 

URURAHY, Heloisa Pinto. Museus na internet do século XXI: a caminho do museu ubíquo. São Paulo, 2013.

 

VIRILIO, Paul. O espaço crítico e as perspectivas do tempo real. São Paulo, Ed. 34, 1993.

 

ZEVI, Bruno. Saber ver a arquitetura. 6ª ed. São Paulo, Ed. WMF Martins Fontes, 2009, pg. 17-28. Trad. Maria Isabel Gaspar, Gäetan Martins de Oliveira.